"26 DE ABRIL DE 1974"

Nasci em Leiria e desde a minha adolescência me apercebi da importância de um cartão
de militante de um partido dominante(em Leiria sempre foi o psd).Cheguei a ser convidado
algumas vezes para fazer parte dessa juventude e fiquei sempre com a ideia que profissionalmente
isso ajudaria.Nunca aceitei nenhum dos "convites",embora tenha existido uma fase da minha vida
em que ponderei um pouco nessa possibilidade.Nessa altura uma empresa publica foi privatizada
e o meu pai entrou na lista dos dispensados.Por causa disso o único salário que entrava em casa
era o da minha mãe.Claro que tanto eu como a minha irmã tivemos de começar a ajudar no que
pudéssemos.O meu pai ficou muito abalado com essa situação(e acho que até hoje não se
recompôs)e a minha mãe "arregaçou as mangas" e;além do trabalho que tinha como cozinheira
numa escola pública,fazia limpezas nas horas extraordinárias.Com tudo isto vi o meu sonho de
me dedicar exclusivamente ao estudo da música(que sempre me apaixonou)ser completamente
adiado.Mesmo assim tentei perseguir esses sonhos e tentar controlar o mais possível a minha vida.
Claro que a minha família achou ridículo eu querer ser músico,mas cheguei à conclusão que preferia
morrer se o não fizesse...

Nasci em Portugal e agora olho para o país e para a minha cidade de uma forma ainda mais negra.
Hoje,e à custa de um povo completamente alheado de inteligência(na minha opinião,claro!),o país
vai alternando(tal como algumas senhoras em certos espaços nocturnos) entre duas forças politicas
que diariamente insultam toda e qualquer definição de democracia.Graças à nossa estupidez enquanto
povo e à esperteza saloia da nossa classe politica,Portugal tem evoluído muito pouco e não existe muita
margem de manobra para aqueles que o tentam mudar(e eu conheço uma história que aconteceu numa
instituição pública em Leiria que demonstra isso de uma maneira muito evidente e bastante triste).
Sempre que há eleições sou assombrado por imensas dúvidas:votar,não votar...votar em branco?!Ainda
não consegui chegar a um consenso que ao mesmo tempo não insulte as pessoas que fizeram a revolução
dos cravos.E desde que um certo politico ganhou umas eleições à custa de um encontro com o presidente
de um clube de futebol(mais uma vez a minha opinião) e depois de alguns discursos muito patrióticos toma
a decisão de não honrar os seus compromissos(invocando curiosamente razões patrióticas)cheguei à conclusão
que aqui tudo é possível.Existe um individualismo quase cego na nossa sociedade.Nem se trabalha para um bem
comum como nos países mais desenvolvidos da Europa.Fala-se muito na identidade do povo e sou constantemente
invadido por conversas de patriotismo,mas que(para mim)não passam de palavras completamente vazias e ocas.
Irritou-me bastante o exagero de panos verdes e encarnados nos telhados e automóveis desta aldeia.Enfim,as pessoas
têm todo o direito de o fazer,as também me sinto no mesmo direito de achar tudo isso ridículo.Para não falar da construção
daquelas enormes rotundas onde se pratica uma actividade desportiva.O povo é estúpido e acho que quanto a isso não há
nada a fazer.

Nasci no Oeste da Península Ibérica onde para ter um bom acesso à saúde,à justiça ou mesmo estudar(...música,por exemplo)
é essencial ter um evidente poder financeiro e os contactos necessários.Os políticos continuam muito intocáveis e sinto que de
dia para dia vou perdendo voz enquanto cidadão.Apesar de erros e de alguns crimes económicos é raro ouvir falar de um político
com bens penhorados.É a classe dourada com as costas sempre quentes.
Ainda tenho esperança de me dedicar exclusivamente ao estudo da música.Talvez no dia 27 de Abril arranje um cartão de militante
de um partido político.Viva Portugal!
Rui Costa

1 comentário:

Menina_marota disse...

"...Nasci no Oeste da Península Ibérica onde para ter um bom acesso à saúde,à justiça ou mesmo estudar(...música,por exemplo)
é essencial ter um evidente poder financeiro e os contactos necessários.Os políticos continuam muito intocáveis e sinto que de
dia para dia vou perdendo voz enquanto cidadão.Apesar de erros e de alguns crimes económicos é raro ouvir falar de um político
com bens penhorados.É a classe dourada com as costas sempre quentes.
Ainda tenho esperança de me dedicar exclusivamente ao estudo da música.Talvez no dia 27 de Abril arranje um cartão de militante de um partido político.Viva Portugal!"

Espero que não o tenhas feito! Arranjar um cartão de um qualquer partido político... porque uma mente transparente e forte como a tua não merece isso.

Segue o teu sonho. Diz através da música o que pensas e e não te deixes quebrar. NUNCA!!!

Um abraço solidário. Gostei muito de ler este texto!!